Usar a técnica de storytelling para cativar o público e fidelizar clientes não é novidade no ramo da publicidade. A publicidade na televisão sempre usou essa técnica para otimizar as suas campanhas. Contudo, com o excesso de informação e a vida agitada a que todos somos sujeitos, surgem distrações. Muitas distrações!

A certa altura a marca Coca-Cola questionou-se: como é que podemos criar uma história cativante para o nosso público-alvo (jovens), em torno de um assunto menos interessante para o mesmo – comum em eventos que a marca patrocina, como os jogos olímpicos. A solução encontrada foi utilizar a força e poder de influência dos youtubers, jovens influenciadores do público da Coca-Cola, para criar uma história que envolvesse, divertisse e entregasse resultado para a marca. Assim funciona o marketing de influência.

Os micro influenciadores são as televendas do século XXI e os outdoors dinâmicos que nos invadem o ecrã do smartphone e nos dizem o que devemos comprar. Por falar em micro influenciadores, engane-se quem acha que os jovens só dão atenção às atrizes de novelas de horário nobre ou aos cantores que participaram em talent shows. Mais seguidores no Instagram não quer dizer necessariamente mais eficiência em campanhas de marketing. Estudos recentes indicam que influenciadores com menos seguidores podem ter um engagement mais alto e oferecer quase sete vezes mais eficiência. Na Marketing 360 concluímos que as taxas de engagement com micro influenciadores são 60% maiores comparativamente com influenciadores ditos “figuras públicas”. Ou seja, apostar em entusiastas do marketing de influência é mais benéfico para as marcas e trazem melhores resultados do que contas com um grande número de seguidores. Menos seguidores, mas seguidores fiéis é, sem dúvida, um dos “segredos” para melhores resultados nas estratégias de marketing de influência.

Já no panorama internacional, a Amazon lançou recentemente o Amazon Influencer Program, um programa que oferece aos influenciadores uma comissão na venda de produtos. Os clientes da Amazon vão poder escolher de entre uma seleção de produtos escolhidos pelos influenciadores. Para a marca, os critérios de escolha destes influenciadores passam por fatores como o engagement das publicações em diversas redes, a qualidade do conteúdo e a relevância para a empresa. O objetivo deste programa é ver como os clientes reagem a páginas com recomendação de produtos e o impacto que tem nas vendas.

Em suma, de todas as últimas tendências de marketing de conteúdo que entraram em cena ao longo dos últimos anos, o marketing de influência é o que tem um crescimento mais apaixonante. Atualmente as campanhas de marketing baseadas no “passa a palavra” geram mais do dobro de vendas em comparação com campanhas de marketing tradicional. Além disso, os consumidores têm uma taxa de retenção 37% maior. Os seguidores de uma figura pública confiam nela e nas suas preferências. Se a sua marca for associada a essa figura pública, passará também ela a ser confiável. O processo é simples. Através do marketing de influência, as marcas estabelecem e nutrem uma relação com os principais influenciadores do seu mercado, conduzindo o público que os segue a uma decisão de compra favorável. Restam dúvidas acerca desta super tendência? Teste-a!

Artigo de Opinião de João Valente acerca de Marketing de Influência, publicado a 2 de Maio de 2017 no Diário de Aveiro

Artigo de Opinião de João Valente acerca de Marketing de Influência, publicado a 2 de Maio de 2017 no Diário de Aveiro

Tags: , , , , , , , , ,